• A Gemalto agora faz parte do Grupo Thales, descubra mais aqui.

4 maneiras de ativar dispositivos IoT eSIM desenvolvidos para consumidores


​​​​​​​​​​​​​​ ativar dispositivos IoT para consumidores compatíveis com eSIM

O grande ​número de novos dispositivos de Internet das Coisas (IoT) compatíveis com eSIM, disponíveis no mercado, destaca o desafio de oferecer uma experiência direta e mais conveniente para o cliente, especialmente em relação à conectividade. Com a tecnologia eSIM associada ao hardware do dispositivo, os players deste ecossistema móvel precisam responder uma pergunta vital para o negócio:

 

Como fornecer conectividade móvel remota para um dispositivo eSIM de maneira off-line, ao mesmo tempo em que oferece uma experiência descomplicada para os usuários, que estavam acostumados com os SIMcards tradicionais?

Este artigo apresentará três opções fáceis ​​para ativar remotamente um assinante equipado com um dispositivo que contém um eSIM, tais como PCs conectados, smartwatches, entre outros.

Quais são os desafios de ativação do eSIM?

De fato, o SIMcard era, até agora, o principal elemento de conectividade com a operadora. Como um representante físico do serviço de assinatura com a operadora móvel, o SIMcard removível oferece aos usuários a simplicidade de uso e a liberdade de serviço. Por esta razão, ainda estará por aí por um longo tempo.

O ecossistema do eSIM está transformando um mercado físico (ou seja, de SIMcard removíveis) em um mercado totalmente digital. Como tal, a desmaterialização do SIMcard representa um verdadeiro Big Bang para as operadoras móveis porque ele constitui a digitalização da distribuição da conectividade. Como o herdeiro legítimo do SIMcard, o eSIM tem que elevar essa experiência do cliente para um novo patamar.

Antes de avançarmos, vamos relembrar os três componentes principais da arquitetura do eSIM:

  • O eUICC é uma parte do hardware do dispositivo que atua como um "contêiner" seguro para armazenar o perfil do eSIM no dispositivo. 
  •  O perfil eSIM é um perfil virtual que armazena as configurações de assinatura, a rede do usuário e permite que ele se conecte à rede móvel correspondente
  • A plataforma de Gerenciamento da Preparação de Dados de Assinaturas (também conhecida como SM-DP+, ou o servidor de gerenciamento de assinaturas do eSIM) tem como objetivo o download seguro do perfil eSIM que ele armazena no eUICC. Depois que o BSS da operadora cria a assinatura, ele informa o SM-DP+ sobre a disponibilidade dessa assinatura e exige a criação de um perfil eSIM.

Vejamos agora as três maneiras diferentes de ativar um dispositivo habilitado para eSIM, ou seja, os vários métodos para vincular uma assinatura móvel baseada em eSIM e um dispositivo equipado com eUICC:

1. Ativação por QR code 

2. Ativação padrão baseada em endereço SM-DP+  

3. Ativação eSIM GSMA por Root Discovery Service 

1. Ativação por QR code​

Suponhamos que um usuário queira comprar uma assinatura móvel - no ponto de vendas de uma operadora ou on-line - para seu dispositivo compatível com a tecnologia eSIM que já possui ou que comprará em breve. A primeira opção para as operadoras móveis consiste em fornecer aos clientes um QR code que deverá ser escaneado com o seu smartphone a fim de baixar o perfil eSIM (correspondente à assinatura que acabou de comprar) para o seu dispositivo. Em outras palavras, este QR code  contém um conjunto de simples de informações (por exemplo, endereço SM-DP+, etc.) que informa ao dispositivo onde pode obter o seu perfil eSIM final.

Desta forma, existem 3 pré-requisitos

  1. Uma conexão primária deve estar disponível para conectar o smartphone e o SM-DP+. Basicamente, o SM-DP+ é uma plataforma que armazena os perfis digitais do eSIM. A conexão principal pode ser por Wi-Fi ou em um perfil de bootstrap eSIM fornecido pela fabricante de equipamento original (OEM). 
  2. O fabricante (OEM) deve incorporar o LPA (Assistente de Perfil Local) no sistema operacional do dispositivo: é uma aplicação que permite o download do perfil eSIM para o eUICC e o gerenciamento do perfil local no dispositivo pelo usuário final (ou seja, a digitalização do QR Code).  
  3. O ponto de venda deve ter uma impressora para o QR Code (no entanto, existe o risco de perda ou roubo do QR Code).​

 

 
 
 
​voucher de ativação  do eSIM da StarHub eSIM para o Smartwatch Gear S3 4G da Samsung


Há mais duas coisas a lembrar:

  1.  Esse método de ativação é amplamente usado para a maioria dos lançamentos dos dispositivos habilitados para eSIM, como o smartwatch Gear S2 3G da Samsung, por exemplo, com a TIM Itália, Orange France, entre outros.
eSIM-capable smartwatch subscription activation flow.PNGFluxos do processo de ativação para o Smartwatch Samsung Gear S2

 

Smartwatch Samsung Gear S2 mobile subscription activation flows via QR code.png 

Etapa de digitalização do QR Code durante o processo de ativação de assinatura do Smartwatch Samsung Gear S2

  1. Esta opção é adequada apenas para dispositivos dentro do open market, ou seja, dispositivos vendidos de forma independente de uma operadora móvel.

2. Padrão de ativação por endereço SM-DP+ eUICC

As operadoras podem, alternativamente, vender uma assinatura móvel vinculada ao dispositivo. 

Esta segunda opção de ativação de assinatura eSIM consiste no pré-provisionamento do eUICC do dispositivo com o endereço da plataforma de fornecimento de SIM remoto (SM-DP+) da operadora durante a fase de fabricação do dispositivo. Consequentemente, na primeira vez que o dispositivo é ligado, ele se conecta diretamente ao servidor SM-DP+ para recuperar seu perfil completo de eSIM.

Isso facilita a adoção e a ativação da tecnologia eSIM graças a uma excelente experiência de usuário. 

No entanto, as operadoras móveis precisam trabalhar em conjunto com as OEMs para personalizar os dispositivos em suas redes. Isso pode gerar um inventário não-negligenciável e custos extras similares aos dos dispositivos básicos de open market.

Uma conexão primária ainda é necessária para conectar o dispositivo pela primeira vez ao servidor SM-DP+ da rede. 

Por fim, esse mecanismo funciona apenas para aparelhos habilitados para eSIM subsidiados pela operadora. Neste caso, o usuário tem que comprar o aparelho subsidiado pela operadora junto com a assinatura desta mesma operadora móvel. Este é um case perfeito para mercados com alta penetração de pós-pagos, como o dos EUA.

3. Ativação do eSIM com o Root Discovery Service GSMA

GSMA’s Root Discovery service-based eSIM activation Desde o segundo semestre de 2017, existe uma terceira opção para ativar remotamente um dispositivo compatível com eSIM

 

O chamado Subscription Management Root-Discovery Service (SM-DS) é um serviço que pretende, na verdade, melhorar ainda mais a experiência de conexão do usuário de um dispositivo eSIM. 

Nesse caso, o usuário compra separadamente seu smartphone e sua assinatura móvel eSIM. Na primeira vez que o usuário liga o dispositivo, ele irá automaticamente e instantaneamente recuperar o perfil eSIM (correspondente à assinatura móvel que acabou de ser comprada pelo usuário) graças a tecnologia over-the-air.

Ele fornece uma verdadeira ativação de assinatura móvel pronta para uso e torna a adoção da tecnologia eSIM muito mais simples para os usuários finais. 

Também alivia pontos de vendas e usuários, pois não requer a emissão e/ou estampa da ativação do QR code. 

Como isso é possível? 
A ativação do QR code, requer: 
  1. Um primeiro nível mínimo de conectividade nativa para os dispositivos conectarem o smartphone à plataforma SM-DS.
  2. O LPA precisa ser suportado pelo dispositivo. 

Além disso, as operadoras móveis e outros provedores de conectividade móvel também devem conectar sua plataforma SM-DP+ à plataforma SM-DS.

Até o momento, o Root Discovery Service é ​​fornecido pela GSMA e a Gemalto é o único fornecedor dessa solução.

Nas três opções descritas acima, há uma desvantagem comum:

O download do perfil eSIM requer que o dispositivo habilitado para a tecnologia eSIM seja conectado à rede móvel por meio de um primeiro tipo de conectividade com a Internet (por exemplo: Wi-Fi, conectividade de inicialização conectada ao smartphone).

Todas as partes interessadas (operadoras móveis, fabricantes de dispositivos, fabricantes de eSIM, usuários finais) reconhecem que esse pré-requisito cria muita frustração: o gerenciamento de assinaturas remotas eSIM não é tão intuitivo e direto como inserir um cartão SIM removível em um smartphone.

Há uma responsabilidade coletiva de continuar a expandir todo o ecossistema para melhorar a experiência do usuário.

4. Conectividade inicial via Gemalto Instant Connect:

Em junho de 2019, a Gemalto anunciou a disponibilidade de uma solução revolucionária para fornecer conectividade móvel primária: que permite que os OEMs e as operadoras móveis forneçam remotamente e automaticamente a conectividade móvel inicial a dispositivos habilitados com eSIM desde a sua inicialização (quando não-conectados), onde quer que estejam, simplificando drasticamente a cadeia de suprimentos dos OEMs e melhorando a experiência do usuário.

Conclusão: a experiência do usuário precisa ser levada em consideração​ durante o processo de ativação​ de eSIMs 

O principal impulsionador da criação de diferentes modos de ativação eSIM é a melhoria da experiência do usuário. 

Assim, todas as partes interessadas do setor móvel estão trabalhando, continuamente, para trazer um maior aprimoramento para esta experiência. O ano de 2018 já é um ano crucial para o surgimento de novas formas de ativação de dispositivos habilitados para eSIM. Veja abaixo os mais novos projetos:

 Documentos

 Video

  • Ativação de Assinantes no Samsung Gear S2​


    Esta demonstração mostra a simplicidade do gerenciamento de usuários de celular em dispositivos wearables, utilizando a solução Conexão Sob Demanda da Gemalto e um eSim (SIM ou eUICC embarcado) dentro de um Samsung Gear S2.

    Assista ao vídeo