• A Gemalto agora faz parte do Grupo Thales, descubra mais aqui.

Estudo da Gemalto revela que quase metade das empresas ainda não consegue detectar violações em dispositivos IoT

O uso de tecnologia blockchain deve ajudar a proteger dados em dispositivos e serviços IoT

Amsterdã, 15 de janeiro de 2019 – Gemalto, líder mundial em segurança digital, revela hoje que quase metade (48%) das empresas não consegue detectar se ocorreu uma violação em algum de seus dispositivos IoT. Isso acontece apesar das empresas concentrarem a maior parte da sua atenção na segurança destes dispositivos:

  • Gastos com proteção aumentaram (de 11% no orçamento de IoT em 2017 para 13% agora),
  • Quase todos (90%) acreditam que seja algo de grande consideração para os clientes e
  • Triplicou o número de entrevistados que acreditam que a segurança para IoT é uma responsabilidade ética (14%) em comparação ao ano anterior (4%)

Com o número de dispositivos conectados chegando a 20 bilhões até 2023, as empresas devem agir rapidamente para garantir que a detecção de violações em dispositivos de Internet das Coisas seja o mais eficaz possível.Pesquisa Segurança IoT.jpg

Ao entrevistar 950 tomadores de decisão de TI e negócios no mundo inteiro, a Gemalto descobriu que as empresas estão pedindo a intervenção dos governos, com 79% deles solicitando diretrizes mais robustas para a segurança da IoT e 59% buscando esclarecer quem é o responsável por proteger este ambiente. Mesmo após a aprovação de muitas instituições governamentais para a introdução de regulamentações específicas de segurança para IoT, a maioria (95%) das empresas acredita que deve haver regulamentações uniformes no local, uma descoberta que ecoou entre os clientes1, 95% esperam que os dispositivos de Internet das Coisas sejam controlados por regulamentações de segurança.

"Dado o aumento no número de dispositivos habilitados para IoT, é extremamente preocupante ver que as empresas ainda não podem detectar se estes dispositivos foram violados", disse Jason Hart, diretor de tecnologia de Proteção de Dados na Gemalto. "Sem nenhuma regulamentação consistente orientando o setor, não é surpresa que ameaças – e, por sua vez, a vulnerabilidade das empresas – estejam aumentando. Isto tende a continuar, a menos que os governos intervenham agora para ajudar o setor a evitar a perda de controle. "

A segurança permanece um grande desafio

Com uma tarefa tão grande nas mãos, as empresas estão pedindo a intervenção governamental devido aos desafios que percebem na segurança de dispositivos conectados e serviços de IoT. Isto é particularmente mencionado quando analisamos a privacidade de dados (38%) e coleta de grandes volumes de dados (34%). Proteger uma quantidade cada vez maior de dados está se tornando um problema, com apenas três em cada cinco (59%) dos usuários de IoT ou empresas que investem no setor admitindo que criptografam todos os seus dados.

Os clientes1 claramente não estão impressionados com os esforços do setor de IoT; 62% acreditam que a segurança precisa melhorar. Quando se trata das maiores áreas de preocupação, 54% temem a falta de privacidade nos dispositivos conectados, seguidos de perto por acesso de pessoas não autorizadas, como os hackers que controlam dispositivos (51%) e a falta de controle sobre dados pessoais (50%).

Blockchain ganha espaço como uma ferramenta de segurança de IoT

Enquanto a indústria aguarda regulamentação, ela procura modos de solucionar os problemas por si só, com o blockchain emergindo como uma tecnologia potencial; a adoção desta tecnologia dobrou de 9% para 19% nos últimos 12 meses. Além disso, um quarto (23%) dos entrevistados acredita que a tecnologia blockchain seria a solução ideal para proteger dispositivos de IoT, com 91% das empresas que não utilizam atualmente a tecnologia provavelmente considerando o seu uso no futuro.

À medida que a tecnologia blockchain encontra seu lugar na proteção de dispositivos de IoT, as empresas continuam a empregar outros métodos para se proteger contra os criminosos cibernéticos. A maioria (71%) criptografa seus dados, embora a proteção por senha (66%) e a autenticação de dois fatores (38%) permaneçam proeminentes.

Hart continua, "As empresas sentem claramente a pressão de proteger o crescente volume de dados que coletam e armazenam. Mas, embora seja positivo que estejam tentando solucionar o problema investindo em mais segurança, como o blockchain, elas precisam de orientação direta para garantir que não estejam se expondo. Para conseguir isto, as empresas precisam pressionar mais o governo e levá-lo a agir, já que são elas que serão atingidas, se ocorrer violação".

Recursos Adicionais

 

​​​Sobre a Gemalto

Gemalto (Euronext NL0000400653 GTO) é líder mundial em segurança digital, com receitas anuais de € 3 bilhões em 2017 e clientes em mais de 180 países. Nós levamos confiança a um mundo cada vez mais conectado. 

 

De software seguro até biometria e criptografia, nossas tecnologias e serviços permitem que empresas e governos autentiquem identidades e protejam dados, de maneira que fiquem seguros e possibilitem serviços em dispositivos pessoais, objetos conectados, na nuvem e entre eles.

As soluções da Gemalto estão na essência da vida moderna, desde o pagamento à segurança corporativa, passando pela Internet das Coisas. Nós autenticamos pessoas, transações e objetos, criptografamos dados e criamos valor para o software – possibilitando que nossos clientes protejam serviços digitais para bilhões de pessoas e coisas.

Nossos 15.000 funcionários estão distribuídos em 114 escritórios, 40 centros de personalização e de processamento de dados e 35 centros de desenvolvimento de software, localizados em 47 países. ​

Para saber mais, visite https​://www.gemal​to.com.br ou siga no Twitter @gemaltolatam e no LinkedIn em www.linkedin.com/company/gemalto.

​​​​​​​​​​​​​Contato de Imprensa da Gemalto para a América Latina:

Alexis Camarillo
​+52 5521223627​
alexis.camarillo@gemalto.com